É Possível

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail


O projeto “É Possível” é um projeto de Extensão Universitária, elaborado pelo Laboratório de Gerenciamento de Projetos de Engenharia Urbana (LaGPEU-Poli/UFRJ), juntamente com os parceiros do CMS Sílvio Barbosa CAP 5.1 e a FLIZO (Feira Literária da Zona Oeste), com o objetivo de promover desenvolvimento humano, comunitário e urbano no Conjunto Habitacional Miguel Gustavo, localizado no bairro de Senador Camará, Zona Oeste da cidade do Rio de Janeiro.

O conjunto habitacional supracitado foi criado no ano de 1972, pela Companhia Estadual de Habitação, com um significativo número de casas geminadas. Ao longo dos anos, veio sofrendo aumento de sua ocupação e processo de degradação, resultando em diversos problemas.

O LaGPEU escolheu a localidade, também conhecida como Rebu, para o seu primeiro projeto, pelos motivos supracitados; e, ainda, por poder contar com a interlocução do Binho Cultura, criado em Vila Aliança (localidade próxima), que atuou como meio de diálogo entre o Laboratório e o que é hoje o principal órgão atuante no Conjunto Habitacional Miguel Gustavo, o CMS.  

Método de trabalho

O método utilizado pelo LaGPEU foi um diagnóstico participativo, conduzido pela Prof. Cláudia Pfeiffer,  na sede do CMS. De sua elaboração participaram os membros do Laboratório (socióloga, geógrafa, engenheiros, arquitetos e urbanistas), juntamente com os principais profissionais do CMS e moradores da comunidade. 

Através desse diagnóstico, foi possível levantar, visualizar e mapear todos os problemas atuais da localidade, identificar as iniciativas já em curso curso no CMS e fora dele, assim como as previstas.

Ao final do  evento foram definidos os próximos passos para a continuidade de trabalho, além de ter-se deixado em aberto a possibilidade de contribuições ao processo, dos não presentes, em cartaz fixado na parede do próprio Centro.

Resultados Esperados

Espera-se que, em um intervalo considerável de 1 a 2 anos, possam ser minimizados os problemas, a partir de algumas alternativas sugeridas:

  • Saneamento, drenagem e esgoto,

Enchentes são problemas frequentes, assim como vazamentos de esgoto. A criação/manutenção da rede de saneamento e pequenas ações de melhoria da infraestrutura urbana podem minimizar os danos nessa área.

  • Insalubridade e estética ruim

A criação do conjunto se deu de modo inadequado à atividade do habitar. As vielas mais estreitas que o padrão visto em comunidades dificultam os acessos; e o grande número de residências sem ventilação natural prejudica a saúde dos habitantes.

Ações de melhoria da ventilação nas vielas, pavimentação de calçadas e acessibilidade, bem como a melhoria da estética do conjunto habitacional, limpeza urbana, redução de pombos, ratos e caramujos (potenciais transmissores de doenças) podem melhorar a condição do habitar e trazer benefícios à população no que tange à saúde física e psicológica da comunidade.

  • Falta de opções de lazer

A região sofre com falta de áreas de lazer e, ao mesmo tempo, existem muitos vazios urbanos que podem trazer a solução para este setor recreacional.

A atribuição de nova utilização para os espaços não ocupados, com inserção de atividades de lazer e educação para crianças e adultos, como brinquedos e praças, atividades culturais, meios de capacitação e qualificação de jovens e adultos, entre outras, podem contribuir para a mitigação desses problemas. Também é desejável que essas áreas tenham policiamento preventivo, o que auxiliaria em seus usos.

Estágio Atual – Captação de Recursos

No momento, a equipe capta recursos para o desenvolvimento de projetos básicos e para a mobilização de parcerias, no sentido de viabilizar a implementação de ações planejadas para o alcance dos resultados esperados.

Galeria de Fotos – Reunião com equipe LaGPEU e representantes da comunidade do Rebu, Zona Oeste do Rio de Janeiro, para diagnóstico dos problemas existentes:

Facebooktwittergoogle_pluslinkedinmail